Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

Budismo, meditação e cultura de paz | Lama Padma Samten

Arriba!

Arriba!

O reencantamento da vida e a energia

O reencantamento da vida e a energia

Trecho de ensinamento no dia 27 de setembro de 2017, no retiro “Budismo e reencantamento da vida”, no CEBB Caminho do Meio, em Viamão/RS

Se vocês estão jogando um jogo e vocês querem ganhar – porque o jogo para valer a pena a gente tem que ganhar – vocês vão perceber que aquilo é assim: primeiro a gente se coloca numa posição de quem quer ganhar e não ganhou. A posição de querer ganhar não é uma posição de felicidade, é uma posição de carência, é uma posição com um pouco de aflição.
Essa posição é ampliada se a gente tem um foco estreito. A gente fica naquele foco estreito, quer ganhar e a gente fica meio infelizes. A gente guarda a experiência de felicidade para depois que a gente ganhar. Então vocês experimentem: vocês ganham e aaah! (Lama respira aliviado). Aquilo é efêmero! É mais um alívio do que felicidade, alívio da tensão anterior. A gente está tenso e ahhh, pronto, acabou, porque já começou outra partida, outra coisa.

Então, quando nós estamos focados e estreitos nós estamos naturalmente aflitos. Se eventualmente a gente não ganha, que é o que de modo geral acontece, a gente só fica aflito e passa de uma coisa aflita para outra coisa aflita. Então, o que vai nos deixar mal é o fato que a gente cria um cenário que obstaculiza a nossa energia. Se a gente não obstaculizar a energia, a gente não consegue jogar, porque o jogo é um processo no qual eu obstaculizo a energia e fico esperando então ganhar, mas é toda uma ação abaixo de um nível zero. Quando a gente ganha, a gente chegou no nível zero: “aah, que bom!”

Qualquer pessoa que medita calma num certo momento pode ser que ela enfim (Lama respira aliviado) solte alguma tensão que ela nem sabia onde estava. Ela está nesse nível zero sem ganhar nada. Pronto, já está ali, já está bem. Se a pessoa começa a olhar os outros com compaixão e interesse, ela começa a subir do nível zero pra cima, aí começa a surgir a energia natural. A pessoa de modo geral não pergunta de onde vem essa energia. Essa energia é a energia natural em nós. Nós podemos bloquear essa energia ou a deixarmos fluir. Se a gente se estreitar – estreitar-se significa reduzir a possibilidade de essa energia fluir – a gente cria um obstáculo para a energia. Esse é o ponto.

Então, esse reencantamento, que a gente pode pensar em “reencantamento do mundo, da vida, da pessoa”, mas essencialmente é a energia que vai fluir. Mas se a gente não entende isso, tudo bem. A gente pode falar nessa abordagem do bloco -1 e do bloco zero, onde parece que a vida agora ganhou cor, ganhou cor porque agora nós estamos olhando de forma mais ampla, nos interessando pelos seres, aí a vida ganha cor. Nosso foco se ampliou.

No cotidiano, quando a gente anda pelas ruas, anda pelos lugares, é fácil de ver: as pessoas estão focadas, elas não dão lugar para os outros, elas saltam na frente, elas se atrapalham. Mas não é que elas sejam más pessoas, elas estão com o foco estreito. Nós podemos, de acordo com as circunstâncias, operar com o foco mais amplo ou mais estreito. Isso é comum, por exemplo, no caso de urgência, é perfeitamente natural a pessoa estreitar o foco e tentar atravessar e sair do outro lado porque tem que fazer alguma coisa crítica, então, a gente estreita o foco. Eventualmente nós vivemos com um foco estreito e a gente não entende isso. É uma vida um pouco infeliz, a pessoa não entende bem porque a vida está infeliz, mas o foco está estreito.

Isso afeta namoro, isso afeta as relações todas, afeta o nosso funcionamento no mundo. Isso propicia acidentes, propicia uma série de dificuldades. Toda pessoa que tiver um foco mais amplo e puder entender os outros no ambiente deles, puder se relacionar com os outros onde eles estão, a pessoa tem uma vantagem no mundo, o mundo fica melhor pra pessoa, a pessoa se sente melhor e ela vai funcionar bem melhor também.

Veja o vídeo completo do ensinamento. O trecho transcrito começa em 34:41.