Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

Budismo, meditação e cultura de paz | Lama Padma Samten

Arriba!

Arriba!

Os filhos e a prática de poder

Os filhos e a prática de poder

Trecho de ensinamento de Lama Samten durante a Palestra de Losar “Conselhos do coração: compartilhando visões e sonhos” (Parte 2) do Retiro de Verão 2015. A transcrição foi feita por Marcos Bauch e a edição e revisão por Lúcia Brito.

Quem quiser treinar intensamente a ação de poder, a habilidade de não se perturbar com o que quer que seja, deve ter pelo menos um filho. Se tiver dois é melhor, se tiver gêmeos é melhor ainda, trigêmeos seria o máximo, muita bênção. A pessoa provavelmente nunca terá a oportunidade de pensar em uma coisa só de cada vez. Ela terá que pensar em várias coisas ao mesmo tempo sem se perturbar.

Na prática com os filhos, a pessoa conversa com um deles, empurra o outro, rosna para o outro e ainda pensa sobre a profundidade da presença do Buda no espaço básico. Tudo junto! Os fracos fazem o quê? Eles se isolam, vão para uma sala calma, tranquila, com uma almofada boa, colocam uma musiquinha, respiram… Isso é treinamento para os fracos.

Vocês têm que sentar no quarto das crianças, cada uma com um computador. Bem, quando elas estão com o computador, ficam calmas, né? Então não vale. Elas têm que estar sem nada para fazer. E não pode ser no quarto delas, porque tudo o que elas bagunçam ali não tem problema. Tem que ser na sala privada de vocês. As crianças ali, sem nada para fazer, e vocês: “Quietos agora que eu vou meditar”. Aí elas começam a movimentação, vão subindo, se pendurando na lâmpada, e vocês ali, calmos, muito calmos e lúcidos.

Melhor ainda é vocês estarem assim e ainda terem que cozinhar, lavar coisas, e aqueles anjos circulando em volta. Essa é uma boa prática. Prática de poder.

Prática de poder não é gritar: “Todo mundo sentado!”, isso é uma prática irada. Prática de poder é assim: a pessoa não altera o batimento cardíaco, não altera a respiração, não arregala os olhos, não treme. Ela se move e tudo aquilo funciona. Ou não.

O ponto é não gerar negatividade a partir da negatividade, não gerar sofrimento a partir do sofrimento. Isso é atividade de poder. E do que precisamos para ter uma prática de poder mais intensa? De aparências!

Assista ao vídeo do ensinamento completo

O trecho transcrito começa em 18:51 da parte 2 da palestra.