Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

Budismo, meditação e cultura de paz | Lama Padma Samten

Arriba!

Arriba!

Introdução ao Budismo – Dalai Lama

Introdução ao Budismo – Dalai Lama

Optamos por incluir a parte preparatória da palestra, uma breve cerimônia, pelo aspécto didático e informativo que tem para os praticantes das outras linhagens.

Meus irmãos e irmãs espirituais, vou começar fazendo uma oração às Três Jóias do budismo. A primeira, o Buda Sakiamuni, uma oração de louvor a ele, oração que nos faz recordar sua sabedoria, sua compaixão e sua energia. Após, à segunda Jóia, o Darma, os ensinamentos do Buda Sakiamuni, e à terceira Jóia, a Sanga, os seus seguidores.

As pessoas aqui presentes que porventura conheçam esta oração, por favor, juntem-se a mim. Aqueles que não a conhecem mas que se consideram budistas podem se recordar das qualidades do Buda enquanto a oração é feita. E, enfim, aqueles que não se consideram budistas, fiquem apenas assistindo. (…)

Gostaria agora de poder cantar o Sutra do Coração, mas cantarei apenas o mantra que corresponde ao Sutra do Coração, pois não temos tempo suficiente para recitá-lo por inteiro. Este sutra é um dos mais importantes dentro da divisão mahaiana do budismo, importante não apenas no Tibete, mas também na China, no Japão, na Coréia. Este sutra está ligado ao significado da vacuidade e chama-se Prajna Paramita. (…)

Com estas recitações nós procuramos criar uma motivação adequada. Todas as ações humanas, quer positivas, quer negativas, dependem da motivação que a informam. Quando um ensinamento religioso é dado, tanto a pessoa que está dando este ensinamento, quanto aquelas que estão recebendo, devem primeiramente desenvolver uma motivação correta. Esta motivação deveria ser o altruísmo.(…)

O Budismo é uma das antigas religiões que apareceram na Índia. Dentre estas, vamos encontrar dos grupos: O primeiro grupo é o das religiões que se voltaram basicamente para uma única existência, num único período de vida; o segundo grupo corresponde às mais preocupadas com a sucessão de vidas. Para estas religiões do segundo grupo, era possível a teoria do renascimento.

Dentre as religiões que aceitavam a idéia do ciclo sucessivo de vidas, vamos encontrar algumas que também apresentam a idéia de um Criador, e outras que não aceitavam o conceito de Criador. Dentre aquelas religiões que não aceitam a idéia de Criador, também vamos encontrar duas categorias. A primeira são aquelas que aceitam a existência da alma como algo permanente, e a segunda, são aquelas que não aceitam esta proposição. O budismo é justamente aquela antiga religião indiana que não aceita nem o conceito de Criador, nem o conceito de existência permanente da alma.

Esta presente era que nós vivemos é chamada de “Era dos Mil Budas”. Dentro dela, três Budas já vieram e já se foram. O quarto Buda é o Buda Sakiamuni, que vocês provavelmente conhecem e cujos ensinamentos ainda permanecem vivos na Terra. Depois dele aparecerão ainda novecentos e noventa e seis Budas.

A lei de causa-e-efeito tanto pode conduzir ao sofrimento, quanto à felicidade

Falando de uma perspectiva histórica, o Buda Sakiamuni era um príncipe indiano. Na primeira parte de sua vida morava cercado de todos os confortos e prazeres que a vida é capaz de nos oferecer a um nível mundano. Também tinha uma esposa e um filho. Num dado momento de sua vida, tomou contato com alguns aspectos negativos da vida humana que o perturbaram intensamente: a velhice, a doença e a morte. Também teve a oportunidade de ver alguns praticantes, algumas pessoas santificadas. Isso fez com que, ao passar do tempo, ele abandonasse a vida mundana, se tornasse monge, e por seis anos se dedicasse a práticas meditativas extremamente rigorosas. Com isso pôde atingir o estado búdico, a iluminação. Começou então a ensinar, baseando-se em sua experiência pessoal.

Seu primeiro ensinamento foi dado na cidade de Sarnat, na Índia, e tratou das Quatro Nobres Verdades. Esses ensinamentos constituem o fundamento de todos os budistas que, sem distinção, os aceitam integralmente.

Dentro do budismo, vamos encontrar diferentes escolas de pensamento. Temos a escola do Sul, a escola do Norte (ou hinaiana) e a escola mahaiana. Os três principais ensinamentos do Buda são chamados de os Três Giros da Roda do Darma.

No primeiro giro tivemos os ensinamentos das Quatro Nobres Verdades, no segundo, os ensinamentos ligados ao Prajna Paramita Sutra, que é a perfeição da sabedoria. O Prajna Paramita vai apresentar uma explicação bastante elaborada da terceira das Quatro Nobres Verdades, a da Cessação do Sofrimento. No terceiro giro da Roda do Darma, vamos encontrar uma apresentação elaborada da Quarta Nobre Verdade, o caminho que leva à cessação do sofrimento. Vemos que o segundo e terceiro giros da Roda do Darma estão ligados ao primeiro giro, que foi a apresentação das Quatro Nobres Verdades.

Quais são estas Quatro Nobres Verdades? Temos a Verdade do Sofrimento, a Verdade das Causas do Sofrimento, a Verdade da Cessação do Sofrimento e a Verdade do Caminho a ser seguido para se alcançar a Cessação Permanente do Sofrimento.

E por que esses ensinamentos foram apresentados sob esta forma de Quatro Nobres Verdades? Porque todos os seres sencientes — dentre os quais nós, humanos — almejam a felicidade e querem se afastar do sofrimento. Acontece, porém, que tanto a felicidade quanto o sofrimento dependem de causas e condições: da Lei de Causa-e-Efeito.

Nós, como seres humanos, queremos afastar de nós o sofrimento, mas para que possamos fazer isso precisamos conhecer as causas do sofrimento e, também, se é possível superá-las, sem o que não teremos sucesso. Esse é o tema das duas primeiras Nobres Verdades: a Verdade de Existência do Sofrimento e a Verdade das Causas do Sofrimento.

Para os budistas, a lei de causa-e-efeito é básica. O budista vai estudar essa lei e ver o seu aparecimento nos fenômenos que constantemente surgem e desaparecem, na transformação contínua de tudo. Essa transformação é possível porque as experiências baseiam-se em fatores, não surgem do nada, surgem sob dependência. Uma decorrência dessa teoria, para os que a aceitam, é a de que não existe um Criador. As coisas não acontecem por desígnio de um Criador, e sim sob a dependência de suas causas e condições.

Todas as ações estão ligadas às motivações sutis cujo exame é essencial dentro do budismo

Buda explicou que a lei de causa-e-efeito se manifesta tanto na vertente negativa, que leva ao sofrimento, quanto na vertente positiva, que leva à felicidade. Em ambos os casos, essa lei se manifesta dentro de um determinado padrão, os Doze Elos da Cadeia de Originação Interdependente; cada elo influenciado e determinado pelo elo que o antecede. Percorrendo-os em um sentido, vamos ao sofrimento, no sentido inverso, à felicidade.

O primeiro elo da cadeia é a ignorância, o segundo o carma, e assim vamos progredindo até chegarmos ao décimo-primeiro — o nascimento — e ao décimo-segundo — a velhice e a morte. Se formos do primeiro ao décimo-segundo, isto nos leva ao sofrimento. Se viajamos de forma inversa, ou seja, para superar a velhice e morte, superamos o nascimento, e assim vamos superando a ignorância. Mas como implementar em nossas vidas estas Quatro Verdades?Se queremos superar o sofrimento de forma permanente, precisamos fazer muito esforço, o que exige determinação. Para termos determinação, precisamos clareza quanto a meta. Quando focamos a meta e reconhecemos os benefícios que daí podem decorrer, adquirimos a determinação e isso nos leva a envidar esforços. No budismo, a compreensão clara dos benefícios da meta está ligada à nossa própria compreensão, a visão das desvantagens, de toda a infelicidade de estar imerso nessa existência samsárica. Se convencidos disso, se examinamos o sofrimento, reconhecemos suas causas, entendemos a possibilidade de superá-lo e visualizamos claramente o estado de cessação do sofrimento — a felicidade permanente — então vamos ter determinação e, por conseqüência, vamos empreender todos os esforços necessários para atingir esta meta.

Dentro desta perspectiva, é importante examinar e conhecer o sofrimento. Segundo o budismo, existem três tipos de sofrimento. O primeiro é o sofrimento do sofrimento, é o que todos conhecemos na forma de doenças físicas, dor de cabeça, desconfortos físicos, etc. O segundo tipo de sofrimento é chamado de sofrimento da mudança. Muitas experiências que temos aqui no mundo, aparentemente são bastante prazerosas e elas nos atraem. Porém, à medida que nos envolvemos com essas experiências, muitas vezes elas nos trazem frustração. Essas experiências, aparentemente atraentes, são, de alguma forma, permeadas pelo sofrimento, na medida em que seus aspectos se transformam. Este é sofrimento da mudança. O terceiro tipo de sofrimento é o nascimento. Esse é, na verdade, a base, a causa de todos os tipos de sofrimento. Enquanto temos o nascimento influenciado pelo apego e ignorância, temos uma existência que vai estar sendo permeada de sofrimento.

“Vacuidade” não que dizer “vazio”, aquilo que é “oco”, mas interdependência

Quanto às causas, são de dois tipos. A primeira é o carma, que quer dizer ação. De modo geral, para que as coisas aconteçam neste mundo, é necessário uma ação. Por exemplo, se você quer tomar chá, precisa praticar vários atos que possibilitem isso: comprar a erva, arrumar uma xícara, preparar a água, etc., até que, enfim, esteja em condições de bebê-lo. Essas ações, como toda e qualquer ação, tem seus resultados; esta é a lei do carma.

Existem ações que frutificam de imediato; outras, porém, frutificam em alguns meses ou anos, ou depois de várias vidas, ou mesmo depois de várias eras, mas apesar do tempo que possa mediar, sempre haverá uma correspondência entre a ação e seu fruto.

Não há tempo aqui para falar sobre os diferentes tipos de ações e de causas. Na verdade, há no budismo uma elaboração detalhada e sofisticada disso. A grosso modo, no entanto, poderia dizer que existem dois tipos de ação: as positivas e as negativas. As negativas são as que conduzem ao sofrimento; muitas vezes no Ocidente são chamadas de “pecados”. As ações positivas são as que levam à felicidade.

Todas as ações estão ligadas às motivações que lhe deram causa. O exame da motivação é essencial dentro do budismo. Se a motivação for o apego, a raiva, o ódio, a ignorância, a inveja, a ação que vai seguir tenderá a ser uma ação negativa. Mesmo ao praticarmos uma ação aparentemente positiva, se a motivação não for correta, isto afeta a qualidade da ação. Por exemplo, uma pessoa tem fé no Buda, mas, na verdade, não conhece de fato a ação. Por exemplo, uma pessoa tem fé, ou seja, é ignorante. Se a sua motivação é a ignorância, ela não vai poder colher frutos dessa fé, e vai ainda permanecer presa no ciclo de existência — samsara. Vários são os tipos de motivação negativa, mas todos esses tipos se originaram de uma única fonte, a ignorância. Poderíamos dizer que, em última análise, a ignorância é o tipo de motivação que dá causa ao samsara, que dá causa a todo o sofrimento.

Conhecer a fundo a ignorância é difícil, complexo, a ignorância se apresenta de diferentes formas. Para conhecê-la em suas formas mais sutis é necessário conhecer a natureza última da realidade, que é também um conhecimento bastante sutil. Por isso, dentro do budismo encontramos textos como o Prajna Paramita, a Perfeição da Sabedoria, que trata justamente disso. O conhecimento da ignorância no seu nível mais sutil está intimamente relacionado ao conhecimento da cessação do sofrimento e, portanto, para entendermos esses níveis mais sutis da ignorância, precisamos entender este conceito de cessação.

Para conhecermos a fundo esta verdade, que é a Terceira Nobre Verdade, a cessação do sofrimento, é preciso examinar as apresentações que são feitas pelas quatro principais escolas de pensamento budista, Vaibhashika, Sautrantika, Chittamatra e Madhyamika, e suas sub-escolas. De todas, a escola Madhyamika, e dentro desta a sub-escola Prasangika, parece-nos a mais profunda.

A qualidade unidirecionada da mente, é inseparável da conduta, “Sila”

Como poderemos chegar à completa eliminação da ignorância e à completa compreensão da realidade última da existência, que propicia a cessação de todo sofrimento? Nessa busca começamos examinando a realidade última da existência, passamos à eliminação das emoções negativas e, por fim, à eliminação da ignorância — o que vai nos apresentar esta verdade última. Quando esse trabalho investigativo é realizado tendo por objetivo a verdadeira natureza da mente, ou seja, tomando por objeto a própria natureza última e não algum outro fator da existência, focando a própria mente, trilha-se o caminho da verdadeira cessação final de todo o sofrimento.

Falo aqui da natureza última da existência ou da verdade última da existência; dentro deste conceito vai surgir a noção de duas verdades, a que corresponde à natureza última da existência, e a relativa que se contrapõe à primeira. Esta apresentação da verdade em dois níveis não é particular do budismo, vamos encontrá-la em outras religiões da Índia, e essa divisão é aceita pelas quatro escolas de pensamento budista. Para o que segue vou utilizar o enfoque da escola que havia referido como sendo a mais profunda de todas, a escola Prasangika-Madhyamica.

Em poucas palavras, a verdade última da existência, segundo o budismo, é Sunya, ou a vacuidade. Porém, “vacuidade” não quer dizer “vazio”, aquilo que é “oco”, mas sim que todos os fenômenos, todas as coisas, existem sob dependência ou interdependentemente, e não por si mesmas. Por esse motivo, porque nada existe por si só mas por dependência, cada fenômeno, isoladamente considerado, é, em última instância, vazio. Assim, quando temos a ausência dessa independência da existência, temos a experiência da vacuidade.

De modo geral os seres não conhecem esses níveis sutis de ignorância; isso faz com que certas predisposições apareçam e se tornem mais enfáticas, vindo até mesmo a aparecer de forma mais violenta, num ciclo sucessivo de renascimentos, até que temos, a partir disso, estados mais néscios de ignorância. Porém, a ignorância, seja ela qual for, por mais sólida que pareça aos nossos olhos, em última análise é apenas ilusão. A ignorância está construída sobre premissas falsas e, por isso, pode ser dissipada através da investigação e da meditação. Ao mesmo tempo, não temos familiaridade com esses níveis sutis de conhecimento, a compreensão da ignorância em seu nível mais sutil. Ainda que haja essa dificuldade, podemos fazer um esforço para nos familiarizarmos com essa experiência, para investigarmos essas questões, para meditarmos sobre sunya, a vacuidade. Portanto, é como se houvesse uma balança com dois pratos, o negativo e o positivo. À medida que se vai cultivando o positivo, este prato vai subindo e o prato negativo vai descendo, até chegar a uma situação em que toda a emoção negativa, toda a visão equivocada vem a ser eliminada por completo. Esta é a verdade da cessação.

O budismo tibetano inclui o hinaiana, o mahaiana e o tantraiana

Falando agora da Quarta Verdade, que é o caminho que leva a cessação, muitos métodos existem no budismo; vou falar de dois, os principais. Antes de tudo precisamos desenvolver a compreensão, a sabedoria que compreende a vacuidade, Vipassana. Para alguém desenvolver isso, e adquirir os instrumentos para usar essa sabedoria, precisa desenvolver uma capacidade de concentração de mente, precisa ter uma mente unidirecionada. Hoje somos vassalos de nossa mente, ela nos controla, mas podemos nos desenvolver até um ponto em que nossa mente fique na posição onde a coloquemos e que se torne possível usá-la para a penetração profunda em um tema ou objeto de meditação. Esta qualidade, este treinamento da mente se chama “Shamatha”. Para podermos desenvolver essa qualidade unidirecionada da mente, precisamos ter moralidade, auto-disciplina, a conduta é importante, é inseparável, o que é chamado “Sila”.

Essas Quatro Nobres Verdades compõe a base do budismo, e são assim aceitas por todos os budistas, mas há um segundo desenvolvimento no budismo, o mahaiana. O mahaiana se assenta sobre essa base, mas adiciona dois conceitos importantes: o conceito das Seis Perfeições e Bodhicitta, o Altruísmo Universal. Há ainda um terceiro nível, o mantraiana ou tantraiana que, aceitando os dois primeiros níveis, vai introduzir outras práticas; práticas que envolvem visualizações, deidades e mandalas.

O budismo tibetano como tal inclui esses três grandes grupos do budismo, o hinaiana, o mahaiana e o tantraiana.

* O monge Tenzin Gyatzo, XIV Dalai Lama do Tibete, líder espiritual e temporal do povo tibetano, ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 1989. No Brasil recebeu os títulos de Cidadão da Cidade de São Paulo, Doutor Honoris Causa da PUC-SP e Cidadão de Porto Alegre. Recebeu também a Medalha Irmão Afonso da PUC-RS e a Medalha Pedro Ernesto da Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro.